Museus deMoura

Núcleo árabe

Reconquistada em definitivo em 1232, Moura continuou a possuir uma presença muçulmana muito importante, que se traduziu, quer na existência da mouraria (de dimensões consideráveis), quer nos documentos reais a ela destinados, principalmente no Reinado de D. Dinis. Com o édito de D. Manuel de 1496, os mouros não convertidos seriam obrigados a sair de Portugal, e as mourarias perderiam a função original.

Reaberto ao público em 1999, e situado no coração desse bairro, o núcleo islâmico exibe “in situ” um poço árabe, do sec. XIV, para além de algumas peças de cerâmica e candis. Muitos vestígios árabes se juntam a estes, tal como: a mão-de-fátima (um amuleto em osso), a arqueta islâmica, e várias epígrafes das quais a mais relevante é a que se encontra ainda encastrada numa fonte do castelo, e que atesta a construção do minarete da mesquita.